Só o Senhor é Deus!
 
 

Entrevista



Inec

DIÁLOGO GOSPEL

Aos 38 anos e com quase 12 de casado, ele é pai de dois filhos: Felipe e Alexandre. Nasceu em Taguatinga e recebeu o evangelho ainda na infância, mas com pouca informação e de forma radical, talvez por esta razão tenha comemorado quando seu pai sai igreja. Entretanto os planos de Deus jamais são frustrados, por isso deixou-lhe um vínculo: seus avós, que sempre o influenciava a ir à igreja. E é justamente, ele, o ex garoto que trabalhou com carroças ajudando o avô que Deus confiou a responsabilidade de cuidar desta igreja. É ele, o nosso entrevistado do mês: Pastor Natanael Nogueira de Sousa.

______________________________________________________________________________

Elaine Alves

Rosângela N. Mendonça

INEC: Como foi sua conversão?

Natanael: Foi aos 19 anos. Quando minha irmã se converteu e estava no auge do evangelho, empolgadíssima, fiquei muito entusiasmado com as experiências que ela me contava. Então um dia eu vim visitar esta igreja, estava resolvido a aceitar e na hora do apelo, eu aceitei.

INEC: Como foi sua trajetória aqui na igreja?

Natanael: Após uns seis meses me indicaram para ser professor da Escola Dominical mas eu não queria aceitar, então quando me dei conta, já haviam votado e no outro dia lá estava eu com a revistinha à mão pra dar aula para as crianças de 6 a 8 anos. Eu até olhei pelo buraco da parede pra ver como os outros professores estavam dando aula pra pegar algumas dicas, mas estava uma confusão tremenda e então eu tive que me virar. Então recebi um panfleto sobre um seminário e decidi fazê-lo para aprender a lidar melhor com a situação. E foi interessante porque eu havia abandonado a escola mas a conversão mudou o meu modo de pensar então eu fiz o seminário que durou três anos e não faltei nenhuma vez, depois voltei a estudar com muita dedicação.

INEC: Como foi sua chamada para Pastor?

Natanael: Bem eu nunca tive a intenção de ser Pastor. Mas com o trabalho com as crianças eu fui me envolvendo com palestras, estudo bíblico e sair para outras igrejas. Após um ano fui 2º vice de mocidade, e com mais um ano eu já era o líder. Nessa época era comum aquele ministério de pregador itinerante que pregava num lugar e depois no outro, e eu achava que o meu ministério era este. Daí então fui consagrado a Diácono e fiquei assim por nove anos trabalhando nas congregações e pregava em todos os congressos, confraternizações, em Goiânia, Sobradinho, interior de Goiás. Então a igreja sofreu uma divisão e assumiu o Pastor Wilson que viu o meu trabalho com a mocidade e superintendência da Escola Dominical e me consagrou a Presbítero e me colocou como segundo vice. Mas antes de sair desta igreja ele me consagrou a Evangelista e me pediu pra ser candidato a Pastor. E eu disse que não queria porque o meu ministério era mais para pregador e evangelista do que para pastor, e também não sabia se essa era realmente a vontade de Deus. Mas ele insistiu tanto que no último dos 30 dias para apresentar os nomes à candidatura eu apresentei o meu nome. E quando houve a eleição, os meus votos foram bem à frente. E no dia 14 de Dezembro de 1991 eu já era pastor da igreja. E depois disso o Pastor Wilson me contou que três meses após sua chegada aqui Deus havia revelado a ele que eu seria o Pastor, por isso ele tinha tanta certeza de que eu ganharia e por isso insistiu tanto para que eu me candidatasse.

INEC: O senhor notou alguma diferença no tratamento depois de ser o pastor?

Natanael: Bem no início as pessoas ficavam meio confusas sem saber se me chamavam de Natã ou de Pastor, ou de irmão, mas isso nunca me subiu à cabeça apenas queria ser respeitado assim como eu respeito todo mundo.

INEC: Desde o início da sua chamada até hoje, houve algum momento em que desejou ser apenas um crente “inativo”?

Natanael: Não. Eu já tive momentos difíceis, mas nunca pensei em abandonar, porque desde que assumi ser pastor, isso entrou na minha vida. Diante de alguns problemas eu posso até pensar em ir para outra igreja, outro lugar, mas não abandonar o ministério.

INEC: Na sua opinião, o que mudou na igreja?

Natanael: A igreja atual tem uma visão mais ampla da vida espiritual e social. Na nossa época não tínhamos uma visão missionária; e quando muito, abria-se congregações, e às vezes desestruturadas. A área de ensino era muito defasada, e fechada na questão social a igreja acabava virando formalista porque como não tinha conhecimento prevalecia a tradição; com isso, as crianças não podiam brincar de pipa, de infinca, dessas coisas de crianças; daí o porque comemoramos quando o meu pai abandonou a igreja.

INEC: O senhor concorda que a letra mata?

Natanael: Depende. A informação é necessária mas temos que ser humildes para aceitar que Deus usa uma pessoa que não fez curso algum. Quando perdemos essa humildade e passamos a criticar uma pessoa pela forma que ela prega aí sim a letra mata.

INEC: O pastor Natanael é diferente do Natanael?

Natanael: Não.

INEC: O que o senhor gostaria de mudar na igreja?

Natanael: Eu acredito que a igreja já mudou bastante mas a área administrativa ainda requer muita atenção, porque as pessoas precisam conscientizar-se de que a organização é fundamental para o melhor funcionamento da igreja. Eu acho que todos deveriam trabalhar em prol disto.

INEC: Sua maior conquista?

Natanael: O ministério pastoral. Não porque eu tenha perseguido este cargo, mas porque foi uma grande confiança de Deus.

INEC: Sua maior decepção?

Natanael: Eu não sou muito decepcionado não.

INEC: O que não gosta de fazer?

Natanael: Sinceramente não gosto de ler. Eu leio por ser necessário mais não por prazer.

INEC: O que mais gosta de fazer?

Natanael: Pregar.

INEC: A luta diária contra o pecado é mais difícil sendo pastor?

Natanael: A luta diária contra o pecado é igual para todos. Mas tem algo que eu acho que no meu caso chega até a ajudar que é a responsabilidade. Se antes eu não me arriscaria, pastor agora sendo pastor é que eu não me arrisco mesmo.

INEC: Qual seu maior defeito?

Natanael: É as vezes passar pelos irmãos e não cumprimentar. E se eu pudesse realmente mudaria, mas não consigo. Quando eu me vigio bastante até consigo superar um pouco, mas daí esqueço e acabo fazendo de novo. Mas isso acontece comigo em qualquer lugar. Às vezes quando saio com a Nilma, ela fica me cutucando pra eu cumprimentar as pessoas.

INEC: Qual sua maior qualidade?

Natanael: Eu agradeço a Deus porque Ele me deu uma boa memória. Alguns colegas meus dizem que estudam várias horas e depois não conseguem se lembrar de muita coisa e eu apenas leio e aquilo fica na minha memória.

INEC: O que realmente lhe irrita?

Natanael: A desorganização exagerada. Por exemplo quando eu chego na igreja e vejo aquela desorganização, o som muito alto, o culto passando do horário.

INEC: O que gosta de fazer nas horas de lazer?

Natanael: Quando sobra tempo gosto de passear com a família.

INEC: Já foi cobrado pelos seus filhos quanto ao tempo que passa em casa?

Natanael: Meus filhos nunca foram de ficar me cobrando, mas no início quando o Filipe ainda era pequeno houve um fato que me despertou: quando eu estava colocando a gravata, ele vinha de encontro à ela e não me deixava colocá-la de jeito nenhum e então disse: - Não põe a gravata, eu não quero a gravata. E então eu perguntei: - Porque Filipe você não quer que eu ponha a gravata?. - Porque se você colocar a gravata você vai sair. Então naquele dia eu não sai e cheguei à conclusão de que há coisas que podem ser feitas por outras pessoas e que eu não posso estar presente em todas as ocasiões. É necessário também ter um tempo para a família.

INEC: E na vida profissional, tem algum plano?

Natanael: Bem eu nunca pretendi largar o meu cargo porque gosto de trabalhar fora, também porque fico atualizado em relação ao que acontece com a sociedade e como trabalho na área de informática fico bem informado no que há de mais atual, o que é benéfico para a igreja. Também não quero depender 100% da igreja, porque há um momento em que a gente tem que sair e é necessário ter uma segurança para a família. E quanto a planos profissionais para o futuro não tenho nenhum, eu realmente não invisto nesta área secular. Inclusive houve uma época em que surgiu uma grande oportunidade mas preferi abdicar pois teria que investir muito do meu tempo para isso.

INEC: Como é o seu relacionamento com os colegas de trabalho?

Natanael: Muito bom. Eles me respeitam, às vezes tiram alguma gracinha mas como eu não dou muita atenção, logo eles desistem.

INEC : Alguém já se impôs ao seu pastorado?

Natanael: Sim com certeza.

INEC: Quem além de Deus teve grande influência no seu ministério?

Natanael: Bem no início do meu crescimento espiritual quem teve grande influência e me incentivou a estudar e pregar a Palavra foi um professor da igreja, o Sebastião Divino, e agora no início do ministério pastoral, o pastor Wilson que me persuadiu e me convenceu a entrar no ministério pastoral

INEC: O senhor sempre fala que a igreja evoluiu e criou muitos departamentos. Isso lhe incomoda?

Natanael: Quanto mais a igreja cresce mais problemas ela tem. A grande vantagem de muitos departamentos é de que a igreja está crescendo, e tem muita gente trabalhando, mas é necessário que os departamentos trabalhem de maneira harmoniosa.

INEC: Que dicas daria para alguém que deseja ser um bom pregador?

Natanael: Primeiramente buscar a Deus, deve estudar e saber o máximo da Palavra de Deus.

INEC: O senhor acha que mesmo a pessoa não tendo o dom pode conseguir ser um bom pregador?

Natanael: A Palavra de Deus diz: a quem falta sabedoria peça a Deus que Ele te dá. Este é o primeiro passo.

INEC: Como foi seu batismo com o Espírito Santo?

Natanael: Quando eu me converti, pedia pra ser batizado em todo culto, na igreja em casa em todo lugar e fui, mesmo antes de ser batizado nas águas. Então eu falei em língua apenas uma vez e comecei a pedir a Deus que confirmasse o meu batismo. Depois disso fomos à uma festa e começamos a orar e logo comecei a transbordar. Naquele momento tinha uma pessoa que estava sendo usada por Deus ao meu lado e então pedi pra Deus que se Ele falasse comigo sem que eu abrisse a minha boca eu saberia que era Ele mesmo que estava falando. Então eu disse pra Deus que eu não estava conformado apenas com o batismo que eu queria também cantar e pregar. Nesse momento a pessoa que estava ao meu lado nem se virou para mim e respondeu: - Se tu quer cantar que cantes, se tu quer pregar que pregues. Aí eu tive a certeza de que era Deus que estava falando comigo.

INEC: Suas pregações são sempre muito elogiadas, dá pra não ficar orgulhoso?

Natanael: Ganhar elogios é mais difícil do que ser criticado. E sempre quando ganho elogios já estou consciente de que não são meus mas de Deus. Além do que, sempre penso que foi muito pouco o que eu fiz para receber tanto e se Deus cortar o pavio tenho certeza de que eu fico na mão.

Perfil:

Comida preferida: Pudim

Homem: Valdemar de Carvalho (Pastor da Kairós)

Mulher: A minha

Família: A mais nobre instituição divina

Deus: Nosso maior amigo

Injustiça: Pagar pelo que não fez

Futuro: Vida eterna

Frase: “Não se desestimule com as provações, porque é na queda que a água ganha força”

Algo engraçado: Eu estava contando uma história para as crianças numa congregação e eles estavam muito tensos e atentos à história, o Filipe nessa época mal sabia falar, mas quando eu fingi que ia cair, ele correu e disse:- Cuidado pai.

Gama- DF - Agosto de 1999 INEC Ano I Nº 05